• Português
  • English
logo
  • Marque uma consulta
    (31) 3141 4294
  • Tire suas dúvidas
    (31) 9 8428 7983
  • Plástica de pescoço: conheça a correção de papadas

    Plástica de pescoço: conheça a correção de papadas

    A plástica de pescoço é indicada para pacientes que apresentam uma ou mais das alterações que se seguem: flacidez e excesso de pele, volume moderado ou aumentado de tecido gorduroso, queda da musculatura, pregas verticais visíveis (bandas platismais) e rugas cervicais transversas de grau leve a moderado.

    Geralmente, são mulheres na faixa de 30 a 50 anos de idade com história de ganho e/ou perda de peso pronunciado, que manifestam uma perda do contorno mandibular e consequente desequilíbrio na harmonia facial que buscam o lifting cervical.

    Com o auxílio de uma análise de fotografias tiradas na primeira consulta, são identificadas todas alterações passíveis de melhora. O grau de flacidez e envelhecimento cutâneo determinará um tipo específico de abordagem.

    Habitualmente, adotamos somente o ambiente hospitalar para a realização destes procedimentos, pois a maioria deles disponibiliza o CTI para suporte, conferindo maior segurança e conforto a pacientes e familiares.

    Se você apresenta alguma alteração decorrente do envelhecimento do pescoço, você tem indicação para se submeter à cirurgia de lifting cervical. Agende uma consulta especializada.

    Dúvidas frequentes sobre plástica de pescoço

    1) O que é preciso considerar antes de se submeter a uma correção de papada?

    A cirurgia plástica do pescoço pode tornar a aparência mais jovem ao deixar o semblante mais leve. No entanto, isoladamente, ela não restaura a saúde ou vitalidade da pele. Outros procedimentos coadjuvantes podem, em certos casos, ser necessários para obter um resultado mais satisfatório.

    2) Que tipo de pessoa é candidata a realizar um lifting cervical?

    A melhor candidata à cirurgia do lifting cervical é a mulher cuja pele da face e pescoço começa a cair, mas mantém ainda alguma elasticidade. A faixa etária em que esse procedimento é mais comum é entre 40 e 60 anos, mas nada impede que ele seja realizado aos 70 ou 80 anos.

    3) Em que casos a plástica de pescoço é indicada?

    Quando há queda e flacidez da pele notável em vincos, dobras ou bandas, frouxidão da musculatura ocasionada pela perda do tônus do músculo platisma, perda do contorno mandibular com queda da gordura e pele imediatamente antes do queixo, presença de rugas transversais, pescoço largo sem definição do queixo, entre outros.

    4) Como é a primeira consulta?

    As queixas são expostas enquanto as fotografias tiradas durante a consulta são observadas. Todas as possibilidades de correção são levantadas conforme a análise da estrutura óssea facial, da distribuição de gordura, do tônus da musculatura e da qualidade da pele em relação à textura, espessura, elasticidade, cor, imperfeições etc.

    5) É possível rejuvenescer 10 anos?

    O conhecimento dos limites anatômicos determina a eficiência do procedimento. Na verdade, não é possível voltar dez ou vinte anos no tempo, mas sim modelar o contorno e, assim, aumentar a harmonia facial. A qualidade da pele continua sendo o fator preponderante para que isso seja viável.

    6) A pele fica muito esticada?

    Os novos conceitos em plástica do pescoço não permitem grandes trações sobre a pele. Acredita-se que o mais importante é conferir um resultado mais próximo do natural, de forma a evitar o estigma de boca esticada. O reposicionamento adequado das estruturas internas (músculo e gordura) é a chave de um bom resultado.

    7) Que cirurgias podem ser feitas junto com o lifting cervical?

    A mais comum é a Ritidoplastia em toda a face. Outros procedimentos como o implante de prótese em queixo, ângulo da mandíbula, cirurgia craniomaxilofacial (avanço ou recuo do mento) etc.

    8) Que procedimentos estéticos podem ser associados a essa cirurgia?

    Infiltração de substâncias sintéticas preenchedoras, toxina botulínica, peeling químico, laser facial e cervical (Fraxel/ CO2/ Quantun), entre outros.

    9) Quanto tempo dura a cirurgia?

    Cada pescoço demanda um planejamento cirúrgico individualizado, em que acontece a definição da associação de técnicas e do conjunto de manobras a serem utilizadas. O tempo estimado varia de acordo com cada cirurgia e pode durar entre uma e quatro horas.

    10) Que tipo de anestesia é utilizado?

    Na maioria das vezes, é realizada a anestesia local com sedação. No entanto, em casos muito isolados, pode-se optar pela anestesia geral.

    11) Como o planejamento cirúrgico é feito?

    O lifting cervical é totalmente personalizado, ou seja, para cada face existe uma combinação de técnicas mais indicada para corrigir os problemas identificados. O tratamento de cada plano superficial (pele), médio (subcutâneo) e profundo (músculo) demanda um tipo de abordagem. Nem todas as pacientes manifestam queixas simultâneas nas três regiões.

    12) Onde ficam as cicatrizes da plástica de pescoço?

    As incisões podem se localizar no pé do cabelo próximo à orelha, à frente e contornando a região posterior da orelha, com uma pequena curva descendente dentro do cabelo, na margem de implantação capilar e cerca de 1 centímetro atrás da margem inferior do queixo.

    13) Como a cirurgia é feita?

    O conceito atual de lifting cervical estabelece uma combinação de diferentes vetores ou linhas de tração em sentidos distintos. Desta forma, os planos da pele, músculos e tecido adiposo (gorduroso) são reposicionados de forma a melhorar o contorno facial e cervical como um todo.

    14) É possível corrigir a papada apenas com uma lipoaspiração localizada?

    Sim, desde que a qualidade da pele suporte uma retração posterior e também não haja uma frouxidão da musculatura. Neste caso as incisões são de apenas 0,5 centímetro logo atrás das orelhas e o procedimento é realizado com anestesia local. Cânulas extremamente finas e delicadas são as mais indicadas.

    15) A paciente pode ir para a casa no dia da cirurgia?

    Sim. Conforme o tipo de tratamento executado, técnicas cirúrgicas empregadas e ausência de qualquer intercorrência que impeça a alta hospitalar, a paciente pode deixar o hospital no mesmo dia.

    16) Como é o curativo do lifting cervical?

    Logo após o término do procedimento é feito um curativo com algodão, gaze e faixa para manter os tecidos manipulados protegidos e aquecidos. Esse curativo é retirado no dia seguinte à cirurgia. Na alta hospitalar é recomendável usar um lenço e óculos escuros. Em certos casos, aconselha-se também usar uma malha de contenção no pescoço.

    17) É preciso usar drenos?

    Conforme o tipo de abordagem empregado poderá haver um descolamento maior abaixo da pele, gerando exposição dos vasos e pequenos sangramentos. O uso de drenos de sucção no pós-operatório pode ser necessário. Sua retirada ocorre no dia seguinte à cirurgia, geralmente.

    18) Que intercorrências acontecem com mais frequência em um lifting cervical?

    Edema (inchaço) na face, equimoses (manchas roxas) na bochecha e pescoço, dor discreta, perda transitória da sensibilidade, endurecimento natural abaixo da pele descolada etc.

    19) Que intercorrências raras podem decorrer dessa cirurgia?

    Hematoma, deiscência da sutura (abertura dos pontos), necrose (morte) da pele, reações alérgicas, alterações cicatriciais (clareamento ou escurecimento, hipertrofia, queloide e alargamento, por exemplo), paralisia facial temporária ou permanente, assimetria, alterações permanentes da sensibilidade, tromboembolismo etc.

    20) A cirurgia plástica do pescoço oferece algum risco?

    Quando a cirurgia é executada por um cirurgião plástico qualificado, as complicações podem ser menos frequentes e, usualmente, menos graves. Os riscos diminuem ainda mais com a presença de um anestesista experiente. Felizmente, trata-se de intercorrências raras e seu risco não é maior que o de sofrer um acidente de carro.

    21) Em que posição o paciente deve dormir nos primeiros dias após a cirurgia?

    Recomenda-se dormir com a cabeça discretamente elevada em relação ao leito apoiada sobre um travesseiro, em um ângulo de cerca de 30 graus. É fundamental manter-se com a face voltada para cima, nunca para a lateral.

    22) Quanto tempo depois da cirurgia o paciente já pode tomar sol?

    Aconselha-se aguardar um período mínimo de 90 dias antes de tomar banhos de sol na praia ou na piscina com o intuito de bronzear-se. Em qualquer outra situação, é necessário usar filtro solar com fator de proteção 60.

    23) O resultado imediato é definitivo?

    Não. São necessários alguns meses para que a pele acomode as estruturas internas modificadas. O edema (inchaço) após a plástica de pescoço é prolongado e o resultado final começa a aparecer entre seis meses e um ano e meio após a cirurgia.

    24) Que situações podem interferir no resultado da cirurgia?

    Desobediência às recomendações e restrições médicas, fatores relacionados à capacidade de defesa, à resposta alérgica e cicatricial intrínseca, fatores genéticos, traumas mínimos, manipulação excessiva, hábitos alimentares e comportamentais como tabagismo, uso de medicamentos proibidos, drogas ilícitas, entre outros.

    25) Durante quanto tempo é necessário fazer manutenção da cirurgia?

    O fator decisivo para a manutenção do resultado reside na elasticidade dos tecidos — pele, músculos e ligamentos internos. O volume e o contorno facial e cervical continuarão a sofrer a ação cronológica do envelhecimento. A cirurgia não para esse efeito, apenas retarda um pouco esse relógio.

    Recomendações pré-operatórias ao lifting de pescoço

    1. Somente pinte o cabelo três dias antes ou 20 dias depois da cirurgia.
    2. Obedeça às instruções dadas para o dia da cirurgia.
    3. Comunique à equipe médica qualquer anormalidade que eventualmente ocorra quanto ao seu estado geral.
    4. Evite a ingestão de bebidas alcoólicas e alimentação copiosa no dia anterior a cirurgia.
    5. Evite usar medicamentos a base de ácido acetilsalicílico, ou fórmulas para emagrecer, até 10 dias antes da cirurgia.
    6. Compareça em jejum absoluto de, no mínimo, 8 horas e não traga objetos de valor para o hospital.
    7. Dirija-se ao local da cirurgia com um acompanhante.
    8. Evite fumar por 30 dias antes da cirurgia – a não interrupção pode ser causa de complicações.
    9. Leve todos os exames, inclusive o de risco cirúrgico, com termo de autorização para cirurgia e a declaração de recebimento dos termos devidamente assinados no dia da cirurgia.

    Recomendações pós-operatórias à plástica de pescoço

    1. Evite esforços no dia da cirurgia, inclusive caminhadas longas ou subir escadas.
    2. Permaneça deitada com cabeceira elevada a 30 graus ou sentada nas primeiras 24 horas. Levante e movimente-se em casa, mas evite grandes esforços.
    3. Evite deitar de barriga para baixo ou de lado por 30 dias.
    4. É recomendável fazer compressas de gelo em sacos plásticos sobre a face, de 5 em 5 minutos, nas primeiras 48 horas.
    5. Não se exponha ao sol com intuito de se bronzear por um período mínimo de 90 dias. Se for inevitável, use bloqueador solar.
    6. Obedeça à prescrição médica.
    7. Volte ao consultório nos dias e horários estipulados.
    8. Evite alimentos quentes ou que exijam mastigação excessiva nos primeiros dias após a cirurgia. Dê preferência a sopas mornas, sorvetes, sucos, gelatina e iogurte.
    9. Consulte o manual informativo sobre a sua cirurgia quantas vezes forem necessárias. Nele você encontrará essas e outras orientações essenciais para a sua recuperação.
    10. Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases, pois, no início, o pescoço pode estar inchado ou ligeiramente endurecido.
    11. Tire conosco quaisquer dúvidas. Evite sensibilizar-se pelas opiniões dos amigos na fase inicial.
    12. Evitar usar qualquer medicamento à base de ácido acetilsalicílico por até 15 dias depois da cirurgia.
    13. Evite o cigarro por até 15 dias depois da cirurgia.

     

    Este conteúdo é apenas para fins informativos. Não se destina a representar técnica cirúrgica real ou resultados. A informação não se destina a ser um substituto para a consulta médica profissional, diagnóstico, tratamento ou cuidado de pós-operatório. Procure sempre o aconselhamento de um profissional médico capacitado e Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).