• Português
  • English
logo
  • Marque uma consulta
    (31) 3141 4294
  • Tire suas dúvidas
    (31) 9 8428 7983
  • Clitoropexia/ Cirurgia de Exposição ou Elevação do Clitóris

    Clitoropexia/ Cirurgia de Exposição ou Elevação do Clitóris

    O termo Clitoropexia pode ser usado como Redução do “capô” (ou prepúcio) do clitóris, ou simplesmente Elevação ou Exposição do clitóris. O clitóris mantém uma relação de intimidade com seu prepúcio, com mesmo tamanho e forma do  “corpo clitoriano”. Usualmente não se admite cirurgias de redução ou aumento do clitóris, pois existe o risco de afetar a sensibilidade local e diminuir a sensação de excitação sexual. O clitóris está localizado na porção anterior da vulva e é uma estrutura sensível, ricamente inervada com um papel importante na produção e manutenção de excitação sexual. Em modo de espera, o clitóris não é normalmente visível, sendo localizado em uma “manga” de pele (prepúcio) que o protege de estímulos externos. Durante a relação sexual, ele fica ereto e torna-se evidente na vulva. Às vezes, essa pele (“manga”) é muito proeminente, com uma redundância de pele evidente. Este excesso de pele evita que o clitóris em ereção possa atingir uma excitação plena, principalmente pela falta de contato e atrito.  Desta forma, a excisão do excesso desta pele pode tratar uma possível causa da frigidez. A cirurgia de Clitoropexia consiste na excisão de uma pequena porção desta “manga” de pele que o cerca. Portanto, ocorre uma exposição clitoriana e este torna-se facilmente acessível durante as relações sexuais. Na teoria, a cirurgia é semelhante a circuncisão masculina. O excesso de tecido deve ser retirado comedidamente, pois qualquer retirada em excesso pode produzir cicatrizes retráteis, e expor demais o clitóris, situação capaz de produzir dor e desconforto.

    Dúvidas frequentes

    1)       O que é Clitoropexia?

    É a cirurgia de elevação ou exposição do clitóris.

    2)       Qual a indicação da Clitoropexia?

    Pacientes com queixa de diminuição na excitação clitoriana, com pouca ou nenhuma exposição de contato, com uma cobertura do prepúcio (“manga”) em toda sua extensão, inclusive na fase excitatória.

    3) Qual anestesia é mais usada?

    Local, peridural ou raquidiana, todas com sedação.

    4) Quanto tempo dura a cirurgia?

    A Clitoropexia tem duração média de vinte minutos.

    5) Onde ficará a minha futura cicatriz? Ela ficará visível?

    Ela será posicionada no ápice da pele que recobre o clitóris, em formato de “V” invertido.

    6) Quais intercorrências comuns possíveis de acontecer?

    Edema (inchaço), equimoses (manchas roxas), sangramento discreto.

    7) A cirurgia é muito dolorosa?

    Não. Na grande maioria das vezes a dor é controlada com analgésicos habituais.

    8) Existe o risco de eu diminuir ou perder a sensibilidade no meu clitóris?

    Não. A cirurgia é executada sobre o clitóris, apenas na pele que o recobre.

    9) Quando poderei retornar às minhas atividades físicas habituais?

    Após um mês de cirurgia.

    10) Quando poderei ter relações sexuais?

    Após um mês de cirurgia.