• Português
  • English
logo
  • Marque uma consulta
    (31) 3141 4294
  • Tire suas dúvidas
    (31) 9 8428 7983
  • Carboxiterapia: uma saída para celulite e gordura localizada

    Carboxiterapia: uma saída para celulite e gordura localizada

    Carboxiterapia é um tratamento não-cirúrgico que consiste na aplicação terapêutica do CO2 (dióxido de carbono), em estado gasoso e estéril, através de uma agulha fina e delicada, via subcutânea com fluxo, pressão e quantidade controlados por um aparelho adequado e certificado pela ANVISA. As sessões melhoram o aspecto da celulite e gordura localizada.

    Dúvidas frequentes sobre carboxiterapia

    1) Como o gás CO2 injetado abaixo da pele atua?

    A carboxiterapia promove uma destruição mecânica da célula gordurosa causada pela expansão do gás e pela vasodilatação local. Esses dois efeitos combinados aceleram o fluxo sanguíneo, estimulam a microcirculação, elevam a oferta de oxigênio e renovação celular, e aumentam a produção de fibras colágenas. O resultado é mais firmeza e sustentação à pele.

    2) O método é doloroso?

    Não. Na maioria das vezes, apresenta um ardor localizado bastante tolerável. Essa sensação de ardor pode persistir por 10 a 20 minutos após a aplicação. Em algumas situações podem ser administrados analgésicos por via oral e anestésicos tópicos, 30 minutos antes do procedimento. O uso de mantas térmicas ou ultrassom pode minimizar essas sensações desagradáveis.

    3) Quais são os efeitos indesejáveis comuns à carboxiterapia?

    Durante a aplicação do CO2 pode haver a lesão de pequenos vasos – capilares e vênulas – o que ocasiona equimoses (manchas roxas) no local. Normalmente, o organismo demora de 15 a 20 dias para absorvê-las, o que impossibilita a exposição solar durante esse período.

    4) O CO2 injetado é capaz de melhorar a celulite? Como?

    Sim. O aumento no metabolismo local causado pelo estímulo à microcirculação acelera a eliminação das toxinas celulares com a liberação dos ácidos graxos, reduz o edema (inchaço) e ativa a lipólise ou destruição das células de gordura.

    5) O CO2 tem efeito sobre a gordura localizada? Como ele atua?

    Sim, desde que a gordura se encontre em quantidade bastante reduzida. O procedimento não substitui a lipoaspiração. O aumento no metabolismo local causado pelo estímulo à microcirculação acelera a eliminação das toxinas celulares com a liberação dos ácidos graxos, reduz o edema (inchaço) e ativa a lipólise ou destruição das células de gordura.

    6) A carboxiterapia é eficaz em qualquer quantidade de gordura localizada?

    Por se tratar de um método com efeitos extremamente localizados, os melhores resultados são observados quando a quantidade de gordura é pequena e em regiões bastante localizadas. A carboxiterapia é também considerada uma forte aliada das cirurgias de lipoaspiração, tanto no pré quanto no pós-operatório, pois contribui muito para a retração da pele e atenuação de pequenas imperfeições.

    7) O CO2 tem algum efeito sobre a flacidez em braços, coxas e pescoço?

    A melhora da microcirculação local e o estímulo à formação de fibras colágenas podem melhorar tanto a textura como a espessura da pele em função do aumento de fibras colágenas nos locais da aplicação. Os melhores resultados são observados nos casos de flacidez leve a moderada. Quando há flacidez muito intensa associada à pele muito estriada os resultados não costumam ser fantásticos.

    8) O CO2 pode atuar em estrias nas mamas abdome e nádegas?

    Somente estrias antigas, de coloração esbranquiçada, podem se beneficiar com a carboxiterapia. Geralmente, são associados procedimentos coadjuvantes como aplicação subdérmica de ácido hialurônico não reticulado, uso tópico de peelings químicos e/ou injeção de enzimas proteolíticas, além de dermoabrasão. Na maioria das vezes, é possível “mascarar” as estrias, tornando-as menos evidentes e mais finas, mas nunca eliminá-las. A melhora não deve ser superior a 50%, quando a carboxiterapia é utilizada isoladamente.

    9) Em que outras situações o CO2 é útil?

    A carboxiterapia também é empregada no tratamento de arteriopatias (doenças vasculares), microangiopatias (doenças dos capilares sanguíneos), em reumatologia (tendinite aguda ou crônica, artropatias e artrites), na cicatrização de úlceras varicosas crônicas, dermatologia (psoríase), entre outras.

    10) Quais são as contraindicações da carboxiterapia?

    A infiltração subcutânea de gás carbônico é contraindicada para pacientes com insuficiência respiratória grave, insuficiência renal grave, insuficiência cardíaca grave, anemia grave, insuficiência hepática grave, hipertensão arterial grave, trombose arterial, grávidas e pessoas que fazem uso concomitante de medicamentos que contêm anidrase carbônica, entre outros.

    11) O que é preciso evitar após o tratamento com carboxiterapia?

    A paciente pode trabalhar normalmente. Inclusive, a prática esportiva é até desejável, assim como a drenagem linfática, estimulação russa, eletroporação, massagens, entre outros procedimentos capazes de potencializar o efeito do gás abaixo da pele. No caso de formação de manchas roxas, a exposição solar deve ser evitada até que as mesmas sejam completamente absorvidas.

    12) Quantas sessões são necessárias? Quanto tempo dura uma sessão?

    Em média, 15 a 20 sessões são necessárias. Recomenda-se realizar duas a três sessões semanais com duração de 15 a 30 minutos cada.

    13) Quanto tempo depois do início do tratamento é possível notar a melhora?

    Após a quinta sessão poderá ser observada uma melhora da textura da pele. Por volta da décima sessão o tecido subcutâneo estará mais firme. Antes do final do tratamento, talvez seja possível perceber a pele mais firme e com a diminuição da celulite.

    14) Quanto tempo dura o efeito da carboxiterapia?

    O efeito varia de pessoa para pessoa. Geralmente, dura entre 6 e 8 meses. Novas aplicações poderão ser necessárias no final desse período, porém, em menor quantidade.

    15) O que pode interferir no resultado?

    Fatores nutricionais, hábitos de vida (fumo e sedentarismo), exposição solar sem uso de filtros solares e cremes hidratantes, idade avançada (pele muito envelhecida e ressecada) podem interferir no resultado final. A prática de uma atividade física contínua e permanente associada à uma dieta balanceada favorece a manutenção de um bom resultado.

    Recomendações prévias à carboxiterapia

    1. Não use cremes ou óleos sobre a pele antes da aplicação;
    2. Aplique uma camada fina do anestésico tópico Dermomax® 4% 30 minutos antes da aplicação;
    3. Leve o anestésico tópico caso necessite de uma dose de reforço;
    4. Pode ser usado um analgésico por via oral (dipirona, Anador, Lisador, etc.), também 30 minutos antes da aplicação. Evite aqueles a base de ácido acetilsalicílico.

    Recomendações posteriores à carboxiterapia

    1. Não existe contraindicação para nenhuma atividade física, nem mesmo o trabalho;
    2. Aguarde, no mínimo, 48 horas para uma nova sessão – o ideal é que elas aconteçam em dias alternados, de 2 em 2 dias;
    3. No caso de formação de manchas roxas, evite expor-se ao sol até o completo desaparecimento das mesmas.

     

    Este conteúdo é apenas para fins informativos. Não se destina a representar técnica cirúrgica real ou resultados. A informação não se destina a ser um substituto para a consulta médica profissional, diagnóstico, tratamento ou cuidado de pós-operatório. Procure sempre o aconselhamento de um profissional médico capacitado e Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).